30.4.15

Pessoal | Manias minhas


Até hoje nunca agendei uma publicação. Gosto de escrever no momento e de publicar no momento seguinte. Se assim não for sinto que a publicação não foi autêntica visto que aquilo que escrevi não foi sentido naquele momento, mas noutro momento qualquer. 

*

Vocês costumam agendar algumas das vossas publicações ou são como eu?

O amor está nas pequenas coisas

Acredito que aquilo que nos faz querer permanecer ao lado de alguém vai muito além da realização de grandes gestos de amor como a marcação de uma viagem surpresa ou a marcação de um jantar no restaurante famoso das redondezas onde é preciso fazer reserva com algumas semanas de antecedência ou da oferta de um artigo que andávamos a namorar há imenso tempo. O amor também pode estar nisso, mas acredito que o amor está principalmente e essencialmente nos gestos simples e espontâneos que vão ocorrendo diariamente. Para mim, o amor está contido nas pequenas coisas: no abraço que o outro nos dá depois de lhe confessarmos que tivemos um dia menos bom, no dar as mãos enquanto passeamos, no abraço inesperado enquanto o outro está a cozinhar ou a lavar a louça, nas noites passadas em casa a ver um filme ou a ver uns quantos episódios da nossa série preferida, nas idas às compras, nos sorrisos cúmplices... E foi precisamente a pensar em todos esses momentos encantadores que Puuung decidiu fazer umas quantas ilustrações onde são retratados todos esses momentos de forma a que todos percebêssemos que são estes pequenos gestos a base do amor. 

Deixo-vos com as minhas preferidas:






[Tinha mais imagens que gostava de partilhar, mas como isto é capaz de já estar a ficar um bocado grande demais o melhor mesmo é vocês visitarem a sua página e verem por vocês mesmos.]

29.4.15

Viagens | Serei só eu a achar isto?



Sempre tive o sonho de viajar, de conhecer novos países e novas cidades. Nunca tive medo de entrar num avião e partir para o desconhecido e gostava de um dia ter a possibilidade de viajar durante um ano (sonhar não custa, não é verdade?) sem planear ao milímetro os países que iria visitar e as coisas que iria querer ver. Gostava antes de partir de mochila às costas e em plena aventura; de ficar o tempo que achasse necessário em determinado local; experimentar diferentes tipos de cozinha; conhecer pessoas novas e visitar aqueles locais que não vêm nos guias turísticos e que só os cidadãos locais conhecem. Com ele ao meu lado, seria ainda melhor. 

A verdade é que nunca percebi como é que alguém não se cansa de ir para o mesmo local no Verão, na altura das férias. Como é que é possível que alguém não se canse de ir todos os anos passar férias para o Algarve? TODOS OS ANOS. SEMPRE. DURANTE TODA A VIDA! Como é possível não se cansarem por mais fantásticas que sejam as praias e a noite Algarvia? Tenho pessoas na minha família que assim que chega o mês de Agosto ou vão duas semanas para o Algarve ou vão duas semanas para Benidorm, não falha. Pessoalmente, não me faz sentido nenhum passar férias durante toda uma vida num mesmo local e sou da opinião que o dinheiro que se gasta numas férias no Algarve ou em Benidorm em pleno mês de Agosto seria melhor empregue numa viagem a um outro destino qualquer desde que fosse algo de novo, mas isto sou eu e nem todos temos de pensar desta maneira.

Faltam duas semanas e quinze dias para ir a Portugal e...

já só penso nas minhas gatas. Podia pensar na comida boa que a minha mãe me vai cozinhar, na quantidade de rissóis, presunto e chouriço que irei comer, na quantidade de caixas de chocolate e amêndoas que as amigas da minha mãe compraram para me dar na altura do Natal e da Páscoa, podia pensar nos ovos moles que vou comer assim que os meus pais me levarem a Aveiro, podia pensar na quantidade de gelados, crepes e outras coisas calóricas que irei comer na companhia das minhas amigas, podia pensar na quantidade de saudades que irei matar, mas a verdade é que, neste momento, só penso nas minhas gatas. Estou em pulgas para abrir a porta de casa e ver as minhas meninas. 


27.4.15

Família | Enquanto falava com a minha mãe...

Diz o meu namorado para a minha mãe sabendo desde logo que ela o iria defender e dar-me na cabeça: "Sabe que hoje ia comendo sopa estragada?"
Ela: Então, Raspberry, deixaste estragar a sopa?
Eu: Não tenho culpa nenhuma.
Ela: E não fizeste uma nova sopa para o meu genro?
Ele: Ela já não quer saber de mim...
Eu: Quem quisesse que a fizesse.
Ela: Não foi assim que te eduquei! Ia lá ele agora cozinhar... Quem tem de cozinhar és tu. Vá, vê lá se tratas bem do meu genro. 



Eu bem digo que ela já não quer saber de mim e que qualquer dia ainda me deserda. A sorte dela é que eu no fundo até sei que ela me adora e acho uma certa piada quando ela o defende neste tipo de coisa como se cozinhar continuasse a ser uma obrigação da mulher. 

24.4.15

Ando a fugir disto desde o inicio desta semana, mas...


acho que já não posso fugir mais. Não mereço isto, a sério. O pior de tudo é que enquanto passo a ferro esta quantidade absurda de roupa a máquina de lavar vai lavando outra tanta. 

Blogosfera | Ora digam-me cá uma coisa



O que têm achado das publicações que tenho feito acerca de se emigrar para o Reino Unido? Têm sido úteis ou mais valia ter passado esse tempo a ler aquele livro do Saramago que nunca mais acabo? Ainda existem questões por responder? A verdade é que assim de repente não me consigo lembrar de mais nada importante acerca deste tema, contudo gostaria de fazer uma última publicação em estilo random onde referisse algumas curiosidades que fui constatando ao longo do tempo que por aqui tenho vivido. O que gostariam de saber mais acerca deste país? Vá lá, não se acanhem... 

Televisão | Yes, she did it again


Parecia impossível, mas a Shonda Rhimes conseguiu partir-me o coração novamente. Já o tinha partido em temporadas anteriores, mas nunca me tinha feito chorar durante trinta minutos. Para os mais curiosos falo do episódio vinte e um da décima primeira temporada de Grey's Anatomy.  

23.4.15

Pessoal | Acerca de mim


Se há algo que detesto fazer é passar a roupa a ferro. De todas as tarefas domésticas é aquela que eu acho mais entediante. 

22.4.15

Sociedade | E tu o que mudarias?

Nunca percebi e estou certa de que nunca perceberei o que leva a alguém que se esconde atrás de um ecrã de computador ou de um ecrã de telemóvel a tecer comentários negativos, mesquinhos e, por vezes bastantes maldosos numa foto que encontrou publicada no Instagram ou no Facebook ou noutra rede social qualquer ou num video que encontrou por acaso ou não no youtube. Será para quê? Para se sentir melhor com as suas imperfeições? Para se sentir superior? Para obter atenção? Não sei, mas às vezes pergunto-me se quem o faz terá noção do quanto poderá estar a afectar negativamente a pessoa que publicou quer a foto quer o vídeo, mas passados três segundos chego à conclusão que quem faz este tipo de comentário só se importa consigo mesmo estando-se a borrifar para os sentimentos do outro. Este "estar a borrifar-se para" incomoda-me porque parece existir um esquecimento de que todos nós somos feitos de sentimentos e de inseguranças. Todos nós temos pelo menos uma única coisa que gostaríamos de mudar em nós mesmos se tal nos fosse possível. Eu, por exemplo, neste preciso momento lembro-me de duas coisas que gostaria de mudar em mim: em primeiro lugar gostava de ter mais quinze centímetros de altura e em segundo gostava de ter umas pernas altas e finas. Contudo, se obtivesse estas duas coisas o mais provável seria depois arranjar outras tantas que gostaria de mudar. O motivo é simples: o ser humano nunca está plenamente satisfeito com aquilo que tem.

Para mim não existe O corpo perfeito, há sim, vários corpos perfeitos e o que torna um corpo perfeito é o facto de nos sentirmos bem nele. Poderá não ser o corpo perfeito para o nosso vizinho, mas será certamente o nosso corpo perfeito se gostarmos de nos ver nele e se nos sentirmos bem em "vesti-lo". Não temos de ter todas uma cintura de vespa, nem temos de ter todas um rabo redondo e empinado. O mundo seria tão aborrecido se tivéssemos todos o mesmo tipo de corpo...  

Cansada de ler as várias criticas que eram feitas ao seu corpo por este não ser igual ao de outras pessoas ligadas ao fitness a Cassey Ho publicou um video onde se prova que, por vezes, no silêncio consegue-se dizer tudo. Trata-se de um video forte e que me faz ficar com a lágrima no canto do olho sempre que o vejo.


21.4.15

Viagens | Um dia ainda hei-de lá voltar


Já tive a oportunidade de visitar Paris, mas agora olhando para trás penso que não soube aproveitar nem apreciar devidamente esta cidade. É certo e sabido que não sou apaixonada por cidades grandes e com um número absurdo de habitantes por metro quadrado (talvez seja por isso que as memórias da minha viagem à Normandia sejam bem mais nítidas do que as que tenho de Paris), mas mesmo assim Paris será sempre Paris e um dia ainda hei-de lá voltar.  

Emigrar | O "El dorado" não existe



Quando te mudas para outro país existe o lado bom e o mau; o lado positivo e o lado negativo. Neste momento a única coisa boa que tenho aqui é o facto de estar a viver com o meu namorado e todos os momentos que passo com ele e com as pessoas que fui conhecendo, quanto ao resto não posso dizer que seja uma desilusão porque nunca vim com a ideia de que quando cá chegasse seria tudo cor-de-rosa. Por toda a internet poderão ler testemunhos que contam experiências satisfatórias, enriquecedoras e a dizer que mudarem de país foi a melhor coisa que alguma vez fizeram e que tudo correu às mil maravilhas. Aqui encontrarão o outro lado da moeda. O mau. 

Nunca quis sair de Portugal, nunca pensei que seria capaz de deixar tudo para trás e de vir para um país onde tudo me era estranho menos a língua onde a única pessoa que conheceria e que poderia contar, pelo menos por algum tempo, seria o meu namorado. Quando terminei o meu mestrado mandei vários CVs para várias empresas de Inglaterra, fui contactada para algumas entrevistas que depois não deram em nada. Chegou a Setembro e visto que tanto eu como o meu namorado estávamos cansados de viver com as saudades constantes e as viagens temporárias que ele tinha de fazer decidimos que mesmo eu ainda não tendo trabalho que valeria a pena arriscar. Não me arrependo, mas se em Portugal não tinha encontrado nada que me satisfizesse a nível profissional também não foi aqui, pelo menos até agora, que o encontrei. Mandei dezenas e dezenas de CVs para tudo o que era sítio e para todo o tipo de trabalho que ia encontrando, tive dezenas de entrevistas que não deram em nada. Tive experiências no mínimo desagradáveis como insistirem que eu precisava de um visto para trabalhar aqui quando é óbvio que não preciso. Quando digo que sou Portuguesa, pensam que Portugal fica em Espanha e que portanto falo Espanhol. Um dia fui a uma entrevista em que ao responder a uma pergunta engasguei-me ao dizer uma palavra - coisa normalíssima e que acontece a qualquer um mesmo quando está a falar na sua primeira língua - mas neste caso serviu como passe para me dizerem que existe uma grande comunidade de Espanhóis em Nottingham e que eu poderia ir aprender a falar Inglês com eles. Respondi "Pena que não seja Espanhola, mas obrigada pela informação". Passados alguns meses encontrei um trabalho em sales onde tinha de trabalhar diariamente dez horas por dia, seis dias por semana com uma pausa de vinte minutos para almoçar, onde só ganhava à comissão e ainda tinha de gastar imenso dinheiro em comboio porque o trabalho não era sempre na mesma cidade. Ao fim de algum tempo despedi-me e foi a melhor coisa que fiz. Desde então ainda não consegui arranjar outro trabalho, mas tenho conseguido fazer algumas vendas a fazer aquilo que eu gosto. 

Há dias em que me sinto vazia, sozinha e em que penso que na verdade não sirvo para nada. Há dias em que sei o que quero e depois existem outros em que me encontro completamente perdida e que já não sei para onde mais mandar CVs. No entanto, sei que se estivesse em Portugal o cenário não seria muito diferente e que o mais provável seria ainda estar a viver com os meus pais.  Pelo menos aqui fiz algum avanço a nível pessoal. 

Como eu disse, há o bom e o mau. Conheço pessoas que estão a viver aqui que dizem que desde o dia em que aqui chegaram não estiveram um único dia sem trabalho (custa-me a acreditar, principalmente quando são pessoas que não têm um trabalho fixo), mas se calhar estas pessoas encontraram o seu El dorado, mas eu continuo a não acreditar nele. 

Mudar de país não é fácil. Não é fácil não estar nos aniversários das nossas pessoas, não é fácil quando tudo o que queríamos era o abraço da nossa mãe e não o podemos ter, não é fácil quando recebemos más notícias, não é fácil e neste momento, pessoalmente, não tem sido fácil viver com o sentimento de que falhei nem é fácil voltar a Portugal e ter de responder "não, ainda não tenho trabalho" (caso queira dizer a verdade) quando as pessoas da vila me perguntam o que ando a fazer e me olham com aquele olhar reprovador de quem pensa "querias ir para a Inglaterra a pensar que irias tornar-te melhor do que nós e agora lixaste-te, bem feita". 

Sei que este texto é tudo menos motivador, mas neste momento onde muitos vêm como única solução a tomada de decisões drásticas acho que é necessário que se dê a conhecer o que poderá correr mal. 

19.4.15

Yes, I do.


Pessoal | Acerca de mim


Todos os dias de manhã a primeira coisa que faço é beber um copo de água com algumas gostas de limão. Não só porque ajuda a acordar os órgãos principais do corpo como, no meu caso, ajuda-me a ter uma boa saúde a nível intestinal, a sentir-me muito menos inchada do que quando não bebia e a fazer uma melhor digestão dos alimentos que vou ingerindo. 

18.4.15

A 18 de Abril de 2007 pelas 11h45m da manhã dávamos o nosso primeiro beijo



Como é possível amar-se tanto e cada vez mais alguém? Não sei, mas sei que oito anos passaram desde o dia em que demos o nosso primeiro beijo e que a cada dia que passa mais feliz me sinto ao seu lado e que o meu amor por ele não pára de crescer. Amo-o como nunca amei ninguém e se isto não for para sempre então ficarei sozinha com meia dúzia de gatos porque acredito que um amor assim só pode aparecer uma vez na vida. Tão forte, tão verdadeiro, tão avassalador e ao mesmo tempo tão calmo e sereno. 

Ele é a minha pessoa e a minha pessoa preferida. Tão bonito por fora como o é por dentro. É a minha pessoa; ele é aquela pessoa que sabe exactamente como me sinto sem nada me perguntar; é aquela pessoa que no meu momento mais miserável é capaz de fazer soltar em mim a mais estrondosa das gargalhas; ele é portador do melhor abraço do mundo; ele é a pessoa mais ambiciosa e sonhadora que eu conheço e um dia gostava de ser como ele. Ele faz-me sentir a pessoa mais confiante do mundo e com ele sinto-me capaz de subir a maior das montanhas. Ele é a minha pessoa e se ele não é o tal, então não sei quem será.

Ele faz-me sentir segura e ao mesmo tempo com medo porque quem ama tem medo de perder. Oito anos passaram e no entanto parece que foi há tão pouco tempo que ele se aproximou de mim pela primeira vez.

Oito anos. Como é possível? Ainda nem acredito que conseguimos ultrapassar tanta coisa. Tantas viagens, tantas ausências, tantos amuos, tantos reencontros, tantas saudades... 

Ele faz-me sorrir e ficar de coração de cheio. Com ele pretendo passar o resto da minha vida e acho que isso diz tudo. 

17.4.15

Actualidade | Acerca da sexualização na publicidade



Vivemos num mundo onde escapar à publicidade torna-se uma tarefa quase impraticável. Todos os dias damos de caras com dezenas de anúncios ora enquanto vemos televisão ora enquanto folheamos uma revista. Na verdade basta sairmos de casa para esbarrarmos com um sem número de anúncios publicitários. Alguns são engraçados, outros aborrecidos e outros passam uma imagem que nada tem a ver com o produto que está a ser comercializado. 

Lembro-me que quando apareceu a primeira publicidade do shampoo da Herbal Essences fiquei ligeiramente chocada e sentia-me sempre um pouco desconfortável sempre que ele passava e eu me encontrava a ver televisão com os meus pais. Nunca percebi a necessidade de porem uma mulher a gemer como se estivesse a ter o melhor dos orgasmos enquanto lavava o cabelo. Falo deste anúncio, mas poderia falar de outros tantos. Vivemos num mundo onde a imagem da mulher é cada vez mais sexualizada e parece ser impossível fazer-se um anúncio sem que a mulher apareça com um generoso decote e com um peito volumoso quando na verdade o anúncio remete para uma marca de produtos de cabelo. 

Faz-me confusão que passem este tipo de imagem da mulher, mas o que me deixa seriamente incomodada é a falta de originalidade por parte das empresas publicitárias como se a sexualização de tudo fosse a única forma de chamar a atenção do consumidor.   

Tudo isto para partilhar convosco um jogo que encontrei no BuzzFeed onde encontramos várias imagens onde foram retiradas as referências quer das marcas quer dos produtos e onde nos é proposto que adivinhemos o que estará aquela imagem a querer vender. De dezasseis acertei apenas seis. Convido-vos a fazer este jogo porque acredito que irão ficar surpreendidos com o produto que estão a querer vender em algumas destas imagens.  

Agora pergunto: será mesmo necessário toda esta sexualização? será mesmo necessário vermos mulheres a gemer num anúncio publicitário onde o objectivo é vender-se um shampoo? Na minha opinião não e acho até que alguns destes anúncios para além da sexualização em si chegam a ser de muito mau gosto. 

16.4.15

Há dias em que todos nós precisamos de um pinguim assim

Bom dia, Mundo!


Falta precisamente um mês para voltar para os braços dos meus pais, a encher de mimo todos os meus gatos, a passar tardes a comer porcarias em todas as gelatarias e cafés fofinhos do meu Porto com as minhas melhores amigas e a passear de mãos dadas em todos aqueles locais onde já vivemos momentos muito felizes!

15.4.15

Emigrar | Como procurar trabalho



Existem vários sites onde podem dedicar-se à busca de trabalho no Reino Unido. Os que eu conheço são os seguintes: IndeedUniversal JobmatchTotal Jobs; CatererMonster;  JobsiteReed

Podem ainda recorrer a agências de recrutamento, mas sinceramente não sei como funcionam porque nunca recorri a elas. 

Quer pretendam emigrar sozinhos ou acompanhados algo que vos aconselho a fazer é a procurarem trabalho ainda estando em Portugal. O facto de não terem um número móvel Inglês faz com que a probabilidade de vos contactarem para o vosso número baixe substancialmente, por isso tentem sempre fornecer outro tipo de contacto como o email e / ou o vosso contacto Skype quer seja no vosso CV quer seja no formulário de candidatura ao trabalho. Quanto ao CV não optem pelo modelo Europeu, pelo menos para o Reino Unido, não ponham a vossa fotografia, nem data de nascimento e tentem ter apenas uma página (todas estas dicas de como fazer o CV foram-me dadas aqui no centro de emprego). 

Sou sincera e digo-vos que o método mais fácil de arranjarem trabalho no Reino Unido é mesmo estando cá e arranjando um número Inglês, mas com isto não quero de todo dizer que venham logo de malas e bagagens a título definitivo (pelo menos quando nenhum dos interessados encontrou emprego). Falo em virem para o Reino Unido durante umas semanas (duas ou três) e durante esse tempo poderão ficar hospedados no que vos der mais jeito (hotel, hostel, casa de um conhecido que esteja a viver naquela zona caso tenham lá alguém, etc.). Se conseguirem um número Inglês seria fantástico, mas o mais importante é que durante esse tempo enviem e entreguem o maior número possível de CVs pois quantos mais enviarem e entregarem maior é a probabilidade de serem contactados para entrevistas e para serem aceites em algum dos trabalhos. Caso durante esse tempo não encontrem nada que vos agrade ou caso não recebam respostas positivas então o melhor é voltarem a Portugal, continuarem a busca lá e voltarem cá mais tarde caso assim o queiram.  

No meu caso, quando vim ainda não tinha encontrado trabalho, mas depois de pensar e de muito ponderar decidi vir na mesma. Entretanto encontrei trabalho, despedi-me e agora estou novamente à procura de trabalho.

Coisas que vão precisar quando encontrarem trabalho: 
  • National Insurance Number (basta marcar uma entrevista no centro de emprego e é totalmente grátis);
  • Abrir conta num banco Inglês (por experiência própria metem um sem número de problemas quando se apresenta o cartão de cidadão como documento de identificação chegando mesmo a exigir o passaporte);


14.4.15

Pessoal | Das coisas que eu gosto


Acho estas flores super giras e já as vi a serem usadas por várias noivas, no entanto nunca soube o nome delas (mas sei que são as preferidas da Blair Waldorf). Alguém sabe?

12.4.15

Música para os meus ouvidos

Deptford Goth, Feel Real

Ouvi esta música pela primeira vez esta semana e ainda não me saiu da cabeça, adoro-a e tenho passado os meus dias a ouvi-la em modo repeat e a cantarola-la mentalmente quando me encontro impossibilitada de a pôr a tocar. Quanto a vocês, qual é aquela música que não vos sai da cabeça?

Eu em imagens



10.4.15

Emigrar | A língua



Quando fiz esta publicação a P' perguntou-me se era necessário ter um certificado de uma escola a dizer qual o nosso nível de Inglês. Eu diria que não é necessário - eu não tenho e nunca me pediram - uma vez que, a maior parte das ofertas de emprego que encontro não exigem isso, pedem apenas que se tenha um bom nível de Inglês tanto falado como escrito. Contudo, poderão de facto existir ofertas bastante especificas dependendo da área de cada um que de facto peçam o certificado ou até um determinado exame de Inglês. 

Se sentem que precisam de melhorar o vosso Inglês antes de emigrarem podem fazê-lo de várias formas. Ler e ver séries e/ ou filmes em Inglês com ou sem legendas (em Inglês, claro) é uma óptima ideia uma vez que não só aprendem imenso vocabulário como também treinam o vosso ouvido. Contudo, lanço o alerta: o Inglês britânico que ouvimos nas séries e filmes todo bonito e que conseguimos compreender na perfeição só existe mesmo nas séries, nos filmes e em Londres. Quando cheguei a Nottingham foi um choque enorme! Nas primeiras semanas não conseguia perceber nada ou quase nada à primeira tentativa e tinha de pedir para que repetissem devido ao sotaque tão cerrado. Bem, vou recorrer a um exemplo para que percebam o que estou a querer dizer: imaginem que são estrangeiros e que durante anos andaram a aprender Português com o sotaque de Portugal Continental e de repente decidem ir viver para Portugal, mas ao em vez de irem para Portugal Continental vão para uma das ilhas dos Açores (pessoas dos Açores que me estão a ler, por favor não fiquem ofendidas. Não tenho nada contra ao vosso sotaque, é apenas um exemplo), percebem o choque que é? Claro que percebem. Contudo e como tudo na vida uma pessoa acaba por se habituar e deixa de ser um bicho de sete cabeças. 

Voltando um pouco atrás e continuando as dicas de como poderão melhorar o vosso Inglês. O meu problema sempre foi o falar. Escrever, compreender textos e perceber o que me estava a ser dito sempre me foi mais fácil do que conseguir comunicar verbalmente. De forma a melhorar esse aspecto uma das coisas que fiz foi começar a falar com o meu namorado em Inglês visto que ele tem um grande à vontade com a língua e assim sempre que não sabia uma palavra ou sempre que dava algum erro ele corrigia-me. Por esse motivo, se têm alguém cujo nível de Inglês verbal seja bom treinem com essa pessoa o mais que conseguirem pois só vos fará bem e fará com que se sintam mais confiantes na altura em que tiverem de falar com nativos. Quando esse dia acontecer fiquem calmos - não são obrigados a falar tão rápido quanto eles - e não tentem imitar o sotaque britânico, pois fica ridículo.

[Publicações relacionadas: Emigrar | A tomada de decisão; Emigrar | O que devo fazer antes de ir?; Emigrar | Como encontrar casa; Emigrar | Da marcação do voo ao empacotamento de uma vida;]

9.4.15

Exercício Físico | O meu calcanhar de Aquiles



Já tive menos força nos braços do que aquela que tenho actualmente, mas mesmo assim ainda me custa imenso completar todas as séries de exercícios que tenho de fazer sempre que o treino é braços e confesso que ainda não consegui sair dos dois quilos sempre que os exercícios requerem o uso de pesos. 

Bom dia, Mundo!


Com dias destes (cheios de sol e acompanhados por temperaturas bastante agradáveis) sabe mesmo bem voltar aos pequenos-almoços coloridos, cheios de vitaminas e energia. Hoje o meu dia começou com uma tigela cheia de fruta: banana, morangos e ananás. 

8.4.15

Eu em imagens


Eu bem tento, mas e conseguir tirar os pés do chão? E quando uma das pernas está no ar como não fazer com que ela vá parar novamente ao chão assim que levantamos a outra? Um dia ainda hei-de conseguir fazer estas posições estranhas, até lá é continuar a tentar. 

Crónicas de uma vida a dois


Estou mesmo a ver que um dia destes vamos também nós encher a casa de penas. 

7.4.15

Exercício Físico | Está na hora de ir queimar calorias


Como durante o mês de Março foram mais as vezes em que estive doente do que aquelas em que fiz exercício agora sempre que chega a hora de pôr o corpo a mexer fico cheia de preguiça e a tentar arranjar alguma desculpa, mas não pode ser. Não pode, não!  

Emigrar | Da marcação do voo ao empacotamento de uma vida



Depois de tratarem de tudo o que há para tratar em Portugal antes de partirem eis que chega a altura de fazerem duas coisas: marcar o voo e fazer as malas.

Todos nós já ouvimos falar das companhias aéreas de baixo custo e nesta altura apesar de vos parecer tentador visto que as viagens parecem ser mais baratas. No entanto, quando comparadas com os preços de outras companhias que não são de baixo custo a experiência diz-me que ao acrescentarem malas grandalhonas (as que vão no porão) o preço que pagam por essa mala em companhias de baixo custo, por vezes é superior ao que pagariam noutras. Na altura optei por viajar pela TAP visto que era aquela que na altura tinha um preço mais em conta tento em conta o número de malas e o peso que me permitia levar. Na altura nas companhias de baixo custo como a Ryanair não se podia trazer a mala de senhora fora da mala de cabine enquanto que pela TAP podia trazer comigo a mala de cabine com 8kg mais a mala de porão com 23kg e a mala de senhora (que não tinha limite de tamanho nem de peso) e onde pude trazer imensa coisa que na altura não consegui pôr dentro de nenhuma das malas. Tudo isto para dizer: não tenham pressa na altura de marcar o voo; façam uma breve pesquisa e vejam qual a companhia que vos oferece melhores condições.

Depois de marcarem o voo vem a parte mais difícil: fazer as malas. Dito assim não parece algo de complicado, mas é. Não só é complicado como também é stressante. Não se trata de um simples "fazer as malas" como se fôssemos viajar durante duas semanas, trata-se antes do empacotamento de uma grande parte da vossa vida. Nas malas não vão querer trazer só roupa, calçado e os vossos produtos de beleza preferidos; nelas vão querer também trazer fotografias daqueles que vos são importantes, objectos que vos foram oferecidos e que querem trazer convosco e como é óbvio vão também querer trazer coisas que não encontrarão com facilidade no país para o qual vão viver (eu e ele trouxemos imensos chouriços, paios, presunto e outras coisas igualmente boas nas nossas malas). Podia aconselhar-vos a trazerem só o essencial, mas nesta altura tudo vos parecerá de máxima importância. Na altura em que estava a fazer as minhas malas optei por trazer maioritariamente roupas de Inverno e só algumas peças de meia estação visto que a viagem estava marcada para finais de Setembro e seria altamente improvável apanhar dias quentes. Mesmo assim não consegui trazer toda a minha roupa de Inverno. Ao contrário das roupas de Verão as de Inverno são super volumosas e basta por-se três camisolas de lã na mala de cabine para que está fique praticamente cheia. No entanto, não desesperem porque um ser fantástico (não sei quem) inventou uns sacos onde podem guardar as vossas roupas de lã, polares e coisas deste género em vácuo! Estes saquinhos são incríveis e super úteis visto que neles podem guardar imensa roupa que vos ocupará pouquíssimo espaço. Na altura comprei os sacos de vácuo no Ikea, mas penso que podem ser encontrados noutros locais. Para além da roupa e calçado tanto ele como eu achamos importante trazermos pelo menos um par de lençóis connosco e um edredão polar (porque metendo-o no saco de vácuo ocuparia muito menos espaço do que outro tipo de edredão) e duas toalhas de banho, uma vez que não sabíamos se as lojas onde pudéssemos comprar estes produtos estariam abertas quando chegássemos. Ainda bem que pensamos nisto porque quando chegamos a Nottingham e saímos da agência onde fomos buscar as chaves do nosso apartamento já as lojas tinham fechado estando apenas aberto um supermercado.

Não nos preocupamos em trazer connosco louças e outros objectos de decoração primeiro porque não era de extrema importância e depois porque sabíamos que o apartamento que tínhamos alugado tinha o essencial (talheres, pratos, tigelas e canecas para o pequeno-almoço), por isso muitas das louças giras que nos foram dando e que queríamos trazer para a nossa casa vieram depois. Mesmo pondo muita da roupa em sacos de vácuo não conseguimos trazer todos os casacos e roupas de Inverno. Tudo isto e outras coisas como roupas e calçado de Verão e tudo o resto que tanto a mãe dele como a minha insistiam que trouxéssemos porque no entender delas iríamos precisar vieram mais tarde. Conseguimos enviar todas estas coisas através de uma empresa chamada Ecoparcel que se encarrega do transporte de entrega de encomendas a um preço muito mais simpático do que aquele que encontram nos CTT. Ao usarem a Ecoparcel ainda têm a vantagem de terem alguém que vai buscar a encomenda a vossa casa e que a levará até à vossa outra casa entre cinco dias a uma semana. Das várias caixas que enviamos usando este serviço apenas uma chegou em mau estado e com algumas coisas partidas. A forma como podem apresentar a vossa reclamação não é a coisa mais simples de sempre, mas ao fim de alguma insistência conseguem ser ouvidos. Depois de reclamarmos com o facto de a caixa vir maltratada e de apresentarmos todas as fotos que tiramos na altura em que a recebemos foi-nos descontado 50% do valor que era suposto pagarmos.

[Publicações relacionadas: Emigrar | A tomada de decisãoEmigrar | O que fazer antes de ir?; Emigrar | Como encontrar casa]

Qual é a probabilidade de...

um portátil cair ao chão e depois funcionar na perfeição tendo ainda como vantagem a ventoinha do mesmo voltar a funcionar e a única coisa a ficar meia avariada ser o carregador? 



Este deve ser mesmo o meu mês da sorte! Os carregadores é que parecem não gostar muito de mim...

6.4.15

Pessoal | Das coisas que eu gosto



Não uso relógio no meu dia-a-dia, mas relógios deste género fazem-me querer mudar de ideias.

Emigrar | Como encontrar casa



Como sabem escolhemos vir viver para Inglaterra, uma vez que o meu namorado tinha sido aceite num programa doutoral de uma das muitas universidades daqui e assim que soubemos qual a data que o programa iria começar tratamos de fazer duas coisas: procurar casa e marcar o voo de ida. Nesta publicação irei falar acerca da procura de casa e numa outra publicação falarei da marcação do voo assim como darei dicas no que respeita ao empacotamento das vossas coisas e de serviços que poderão usar no que respeita ao envio de mais coisas. 

Existem vários sites onde podem procurar casa no Reino Unido: o Zoopla, o Gumtree e o Rightmove são alguns deles. Pessoalmente, gosto mais de usar o Rightmove, acho que é o mais simples e o mais eficaz no que diz respeito a esta tarefa. Têm a opção de pesquisar casas que estão para venda e para alugar. Podem tornar a vossa pesquisa ainda mais detalhada escolhendo até quantos quilómetros (milhas, no caso de Inglaterra) estão dispostos a procurar casa a partir do local que escolheram como referência, qual o preço mínimo e máximo que pretendem gastar por mês, o número de quartos assim como também podem procurar casas já mobiladas ou por mobilar. Até agora sempre optei por casas já mobiladas principalmente porque acho mais prático e, na minha opinião, para uma coisa temporária não há necessidade de andar a gastar dinheiro em mobília já que mobilar uma casa não é algo que fique propriamente barato e até agora sempre encontrei casas giras com mobília igualmente gira, em bom estado e prática. No entanto, se pretendem decorar o vosso novo ninho de raiz existem várias lojas que vendem mobília em segunda mão muito gira e a preços também eles muito simpáticos. 

A maior parte das casas que estão para alugar são alugadas a partir de agências. Estas agências cobram algum dinheiro a mais para além da renda. Por exemplo, se alugarem uma casa em que tenham de pagar 500 libras mensais de renda terão de pagar um depósito mais ou menos de 600 libras (só se paga uma vez o depósito). Este depósito pode ser devolvido na totalidade quando no final do contracto de arrendamento a casa não apresenta estragos ou então pode ser devolvido apenas uma parte no caso de a casa apresentar danos no final do arrendamento. Para além do depósito normalmente ainda têm de pagar uma certa quantia por cada pessoa que faça parte do contracto de arrendamento e que pretenda partilhar casa convosco. No nosso caso pagamos sempre 300 libras (150 libras cada um). Como podem ver arrendar casa também não sai barato. Os preços que estou a dar são os preços que encontrei em Nottingham e não servem de referência para cidades como Londres. Nottingham é considerada das cidades mais baratas de Inglaterra e se acham que os preços que dei acerca do arrendamento não são nada simpáticos, agora imagem por quanto não ficará uma casa em Londres ou noutra cidade mais conhecida de Inglaterra. 

Se pretendem ver uma determinada casa podem marcar a visita enviando um email ou então ligando à agência. Pelo que vi enviar email e não enviar vai ter ao mesmo porque na maior parte das vezes não se recebe uma resposta por parte da agência. O mais fácil, rápido e eficaz é marcar a visita através da chamada. Para isso podem carregar a vossa conta Skype, pois as chamadas acabam por ficar mais baratas do que se fossem ligar através do vosso número fixo ou móvel português. Se têm várias casas que gostariam de visitar antes de alugarem (nunca aluguem sem antes verem as casas, acreditem que as fotografias que vos mostram no site nem sempre correspondem à realidade) tentem marcar tudo para a mesma semana. Se querem chegar ao país onde pretendem viver já tendo casa e se tiverem disponibilidade para tal o melhor é virem durante alguns dias até ao tal país e visitar as casas. O meu namorado fez isso e mesmo assim teve o desprazer de lidar com situações chatas como: de cinco casas que vinha ver, acabou por apenas ver duas porque entretanto as outras foram alugadas e a agência não se deu ao trabalho de mandar email ou de ligar a cancelar as visitas. Sabe bem chegar e já ter casa, mas se não estão para vir cá antes da viagem final o melhor é ficarem durante alguns dias num Hotel, Hostel ou então em casa de um amigo se o tiverem e tratarem imediatamente da procura de casa. Sei que, no caso dos enfermeiros, por exemplo, quando chegam cá têm a possibilidade de ficar numa espécie de residência universitária e depois sim, tratam de procurar casa. No nosso caso, tivemos de fazer tudo aquilo que fui dizendo até aqui.

No dia em que forem assinar o contracto de arrendamento vão ter de pagar a primeira renda, o depósito e o tal valor que cobram por pessoa. Podem ainda ter de pagar pelo contracto, mas, pelo menos aqui em Nottingham são raras as agências que cobram pela elaboração do contracto de arrendamento. Para além de todas estas cobranças, ainda vão ter de apresentar alguns documentos. Como nunca tínhamos vivido no Reino Unido para além de apresentarmos o cartão de cidadão/ passaporte tivemos de dar a nossa morada de Portugal e trazer uma carta de Portugal que viesse em nosso nome e onde aparecesse a nossa morada assim como tivemos de apresentar uma cópia do contracto de trabalho do meu namorado e de quanto ele iria ganhar por mês e acho que na altura não tivemos de apresentar nada do banco visto que nunca tínhamos tido conta aqui, mas já não me recordo bem (se encontrar algo acerca disto voltarei aqui), mas agora que mudamos de casa tivemos de mostrar uma cópia do extracto bancário de cada um.

Para além do pagamento mensal da renda ainda têm de pagar todos os meses algo que se chama council tax - o seu valor é diferente de cidade para cidade e depende do código postal da propriedade. Para saberem em que categoria está inserida a propriedade na qual estão interessados podem pesquisar aqui sendo que a A é a mais barata e a H a mais cara. Algumas propriedades vêm com as contas incluídas (água, electricidade e internet por exemplo), mas caso não venham ficam já a saber que aqui essas contas, pelo menos em Nottingham, pagam-se a casa seis meses.

[Publicações relacionadas: Emigrar | A tomada de decisão; Emigrar | O que devo fazer antes de ir?]

5.4.15

Diz que hoje é Páscoa



Digam-me lá: já comeram muitas amêndoas e chocolates? Eu confesso que já comi algumas coisas bem calóricas. 

4.4.15

Crónicas de uma vida a dois

Não fomos passar a Páscoa a Portugal e a encomenda que os pais dele e os meus enviaram não chegou antes da Páscoa. Não temos queijo do bom nem as amêndoas, mas estamos muito bem preparados para o dia de amanhã!

2.4.15

Decoração | Das coisas que eu gosto


Um dos raros casos em que gosto mesmo muito de ver o amarelo. 

Emigrar | O que devo fazer antes de ir?



Se têm uma licenciatura e estão preocupados com a possibilidade de ela não ser reconhecida no Reino Unido ou em outro país da União Europeia relaxem. Desde que Bolonha entrou em vigor que todas as licenciaturas tiradas no espaço da União Europeia são reconhecidas nos países que dela fazem parte. O problema em si reside naquele tipo de licenciatura em que para que esta possa ser exercida o profissional tem de fazer parte de uma ordem como é o caso da área de direito, engenharia, arquitectura, saúde e etc. 

A primeira coisa a fazer em relação à licenciatura e a todos os graus que possam ter como mestrado e ou doutoramento é dirigirem-se ao local onde obtiveram esse grau e pedir todos os certificados em Inglês mais o respectivo suplemento onde vem todas as cadeiras que tiveram ao longo dos anos (para quem já concluiu os estudos, calculo que saiba do que falo). No meu caso, cada certificado custou 15€, mas calculo que o preço dependa de instituição para instituição. 

Vou ser sincera e digo-vos que realmente não sei como a coisa se processa para todas as áreas, mas para quem procura emprego na área do ensino no Reino Unido a segunda coisa a fazer é preencher o formulário para obter o QTS (Qualified Teacher Status). Para mais informações acerca deste processo e para terem acesso ao formulário dirijam-se aqui. Se têm dúvidas ou se antes de fazer o quer que seja preferirem falar com portugueses que se encontram a trabalhar como professores aqui no Reino Unido aconselho-vos a pedirem para fazer parte do grupo "Professores Portugueses no Reino Unido" no Facebook onde poderão encontrar mais informações e documentos importantes. Para profissionais de outras áreas penso que poderão encontrar muita da informação que precisam se pesquisaram neste site

Ainda em Portugal algo que aconselho vivamente a fazerem é a tirarem o passaporte. O Reino Unido faz parte da União Europeia, mas às vezes parece que se esquecem disso e pedem o passaporte e fazem birra e insistem que o vosso cartão de cidadão não é suficiente para abrirem uma conta no banco, por exemplo. Por isso se não se estão para chatear tirem o passaporte porque quem sabe se um dia até não se revelará útil para quando quiserem viajar para outro país onde este seja realmente necessário. Tirar o passaporte não é propriamente barato: o preço normal é de 65€ e demora cinco dias úteis e o urgente é de 95€. Consultei os preços aqui já que não me lembrava muito bem de quanto tinha pago. Não precisam de visto, uma vez que tanto Portugal como o Reino Unido fazem parte da União Europeia. 

Se têm conta num banco português não façam como eu fiz. Na altura fiquei muito chateada com a situação toda de ter de emigrar que não quis ter mais nada em Portugal e fechei a minha conta. Se querem fechá-la tratem de ir o mais rápido possível ao vosso Banco para pedirem o resgate do vosso dinheiro, mas lembrem-se que quando forem a Portugal dá sempre jeito ter lá uma conta para não terem de andar sempre a comprar Euros como eu. Se o país para o qual pretendem emigrar tiver uma moeda diferente do Euro como é o caso de Inglaterra não se esqueçam de ir a uma casa de cambio para comprarem libras ou coroas suecas ou lá o que for o mais rápido possível. Façam uma pequena pesquisa das várias casas de cambio da vossa zona e vejam qual é aquela onde conseguem comprar mais por menos euros. 

Outra coisa importante para fazerem antes de partirem é pedir o vosso registo criminal. Não sei se agora existe a possibilidade de o pedirem em Inglês, mas na altura em que pedi o meu não havia e tive de ir ao notário traduzi-lo e paguei quase 30€ pela tradução de uma página e meia! Tanto o passaporte como o registo criminal podem ser pedidos numa qualquer loja do cidadão. Se vivem na zona Vila Nova de Gaia / Porto a do Arrábida Shopping revelou-se bastante rápida na altura em que precisei de fazer estas coisas.  

Por último, não se esqueçam de ver se têm as vacinas em dia e caso não as tenham tratem disso e tragam o boletim de vacinas convosco (entretanto lembrei-me que deixei o meu em Portugal na última vez que lá fui) e não se esqueçam de tirar o Cartão Europeu de Seguro de Doença. Para mais informações acerca deste cartão e de como o podem obter vejam aqui

Se têm casa em Portugal em vosso nome, se descontam em Portugal, se estão a receber o subsidio de desemprego e querem continuar a recebê-lo estando no Reino Unido não sei como se faz porque na altura não tive de me preocupar com isso, mas também têm de tratar de todas essas coisas enquanto estão em Portugal.  

Espero que esta publicação vos tenha sido útil. Por enquanto não me lembro de mais nada que tenham mesmo de fazer em Portugal antes de partirem, mas caso surja mais alguma questão acerca deste assunto sintam-se à vontade para perguntarem. 

[Publicações relacionadas: Emigrar | A tomada de decisão]

Blogosfera | O dia das mentiras já acabou



Diverti-me imenso ao ler as vossas respostas ao desafio de ontem. Acredito que irão ficar deveras surpreendidas (porque foram só meninas a responder) assim que vos revelar quais das dez afirmações eram falsas. Vou colocar novamente a lista das dez afirmações, mas desta vez aparecerá a verde as afirmações verdadeiras e a vermelho as falsas.


1. Sou alérgica ao chocolate;
2. Tenho intolerância à lactose;
3. Tirei um mestrado em Filosofia;
4. A minha cor preferida é o amarelo;
5. Não consigo sair de casa sem antes pôr perfume;
6. Tenho muito medo de abelhas;
7. Sou ruiva;
8. Nunca apanhei uma bebedeira;
9. Não tenho carta de condução;
10. Detesto qualquer tipo de gomas;

Sou mesmo alérgica ao chocolate e apesar de adorar chocolate e de o comer sempre que quero, a verdade é que quando como chocolate branco fico com o corpo carregado com umas borbulhas que fazem imensa comichão. 

Não tenho a certeza, mas tenho a sensação que já aqui referi que tenho uma ligeira intolerância à lactose. Digo ligeira porque consigo comer sem problemas manteiga, queijo e posso usar natas à vontade que nada acontece. O problema é mesmo com o leite e com os iogurtes. 

Desta é que vocês não estavam mesmo à espera, mas eu tenho mesmo um mestrado em Filosofia Contemporânea cujo tema foi a Consciência e a Intencionalidade. 

A minha cor preferida decididamente não é o amarelo. Só suporto o amarelo em pequenas doses, isto é, acho-o muito bonito em flores e em alguns objectos decorativos, mas não o suporto no vestuário e deixa-me mesmo de mau humor se vir demasiado amarelo. 

Não ligo nenhuma a perfumes e na maior parte das vezes chego mesmo a ignorar o facto que os tenho. Por isso, sair de casa sem perfume para mim não se revela um problema. 

Tenho fobia de abelhas desde que me lembro de existir e a maior parte das pessoas que me conhece diverte-se imenso com o meu comportamento quando uma abelha ou vespa se aproxima de mim.

Infelizmente não sou ruiva, mas adorava sê-lo. 

Nunca apanhei uma bebedeira e sinto-me muito bem com isso. Nunca vi qualquer interesse em beber demasiado e eu nem aprecio assim tanto o álcool. 

Quando fiz dezoito anos comecei logo a tirar a carta de condução e adoro conduzir apesar de ainda começar a tremer sempre que tenho de estacionar entre dois carros. 

Eu adoro docinhos, acham mesmo que não iria gostar de gomas? 

Surpreendidos? A Ana Rita foi aquela que ao pôr apenas quatro hipóteses acertou em todas. 

1.4.15

Blogosfera | Diz que hoje é dia das mentiras



Um pouco por toda a blogosfera anda a circular um desafio ao qual eu achei imensa graça. É super simples e para participar basta escrever dez frases: cinco delas verdadeiras e cinco falsas depois é só puxarem um bocadinho pela cabeça e tentarem acertar nas falsas.

As frases são as seguintes:

1. Sou alérgica ao chocolate;
2. Tenho intolerância à lactose;
3. Tirei um mestrado em Filosofia;
4. A minha cor preferida é o amarelo;
5. Não consigo sair de casa sem antes pôr perfume;
6. Tenho muito medo de abelhas;
7. Sou ruiva;
8. Nunca apanhei uma bebedeira;
9. Não tenho carta de condução;
10. Detesto qualquer tipo de gomas;

Difícil? Confesso que estou super curiosa para saber se alguém vai conseguir acertar em todas as afirmações falsas!