5.10.15

Sociedade | Haja paciência

A vida não é justa e por mais que queiramos pinta-la de cor-de-rosa ela irá surgir-nos com diferentes pinceladas de cores e quanto mais depressa aceitarmos isso menos tempo iremos perder com pequenas e grandes frustrações e mais energia será canalizada para ultrapassar os momentos menos bons e para encontrar novos caminhos e ruelas que nos ajudem a chegar onde queremos. Claro que dizer tudo isto é muito bonito, mas há que fazer a ressalva de que nem sempre conseguimos ultrapassar certas coisas com uma perna às costas por assim dizer e, verdade seja dita, nem tal tem que acontecer. A razão é simples (ou não). O tempo que passamos debruçados sobre nós mesmos e a lamber as nossas feridas também é necessário pois só assim conseguiremos aprender alguma coisa e evoluir como seres individuais. No entanto, haverá sempre alguém que nunca irá aprender. Por mais bofetadas que a vida lhe dê irá sempre cometer o mesmo erro. Vezes sem conta. Uma e outra vez. Pessoalmente não tenho grande paciência para este tipo de pessoa e a coisa que mais me apetece fazer é dar-lhe um estalo bem dado a ver se aprende que quando o plano A não funciona é porque algo está mal e há que começar a pensar e a tentar novas alternativas. E de repente apercebi-me que não era bem disto que eu queria falar, mas passemos à frente que o que do que eu queria mesmo falar era daquelas pessoas chatas, chatinhas que passam a vida a queixar-se disto e daquilo. Pessoas que se queixam porque não têm trabalho e que é uma chatice estar tanto tempo em casa; pessoas que se queixam que andam exaustas porque entretanto arranjaram trabalho, mas deixaram de ter tempo para ficarem de papo para o ar o dia todo; pessoas que se queixam ora porque está calor ora porque está frio e o que queriam era exactamente o oposto; pessoas que se queixam que não têm tempo nenhum para ler, mas que quando têm tempo é vê-las a fazer outra coisa totalmente diferente; pessoas que se queixam que estão gordas, mas que mesmo assim não fazem exercício porque isso custa muito; pessoas que se queixam que estão gordas (sim, outra vez!), mas que no minuto seguinte estão a enfardar uma quantidade industrial de chocolates e outras guloseimas; pessoas que se queixam dos outros falarem mal delas pelas suas costas, mas que também elas fazem exactamente o mesmo; pessoas que se queixam de como a sua relação amorosa já viu melhores dias, mas que mesmo assim continuam sem fazer nada para mudar a situação... Estão cansados? Também eu! Daí perguntar-me: se até eu fico cansada como é que está gente também não se cansa de se ouvir?! 

E agora uma imagem que não está relacionada com a publicação, mas que também não está tão distante quanto isso já que até o cão está com um ar de "não te vens queixar outra vez, pois não? É que se vieres salto logo daqui e faço um sprint daqueles que até quero ver como vais conseguir apanhar-me".

7 comentários :

  1. Este post fez-me lembrar uma amiga minha. Ela trabalhava em investigação, fazia os próprios horários e muitas vezes trabalhava de casa. Um dia achou que estava a ganhar pouco e mudou para uma empresa. Desde aí a vida dela é queixar-se do capitalismo, dos horários, manda vir porque os patõres pedem para ela dar horas à casa quando sai mais cedo por causa de consultas e dizer que "isto não tem jeito nenhum". Eu também gostava de trabalhar menos horas por dia, porque o horário que faço + o trânsito que apanho de amnhã e à noite faz com que veja a minha família muito poucas vezes e não é por isso que me queixo tanto como ela. É a forma como isto tudo está estruturado, e é nosso decisão trabalhar neste sítios, para quê queixarmo-nos o dia todo?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. R: Sim, essa passagem é horrível!!! Nesse livro achei que havia um propósito para que todas as cenas sexuais com essa personagem fossem nojentas. Achava que era para o leitor não gostar dessa mulher. Mas agora vejo que se calhar não é bem assim e ele só não sabe descrever cenas íntimas sem ser nojento x)

      Eliminar
  2. É preciso ter paciência para algumas pessoas

    ResponderEliminar
  3. as pessoas nunca estão bem com nada, é uma condição inerente à vida humana :)

    ResponderEliminar
  4. E deixa-me adivinhar, todas essas pessoas dão para colocar numa só pessoa xD Bem essa personagem é terrivel e eu infelizmente conheço algumas :P

    ResponderEliminar
  5. E não é que todos levamos com essas pessoas? Haja quem as ature!


    Boa semana,
    http://bittersweetlondon.blogspot.co.uk/

    ResponderEliminar
  6. As pessoas... bem, são pessoas. Ser-se humanos significa que nunca estamos contentes com a vida que temos. Em vez que aproveitarmos a coisas boas, só nos queixamos das coisas más.
    Manda-as correr uma maratona. Depois disso, já não têm forças para se queixar mais =P
    ***

    ResponderEliminar