29.6.15

Actualidade | Por um Mundo menos doente



Nos Estados Unidos da América uma bebé com uma infecção no ouvido morre porque os pais não acreditam na medicina moderna e então recusaram-se a procurar ajuda mais cedo porque não queriam encher a menina com químicos. Em Espanha outro menino com difteria acaba por falecer porque os pais decidiram não vaciná-lo. Um pouco por todo o Mundo começam a surgir doenças das quais já não se ouvia falar há vários anos devido ao movimento anti-vacinas. Quanto a mim só penso que tudo isto é uma questão de saúde pública e que a vacinação deveria ser obrigatória (excepto em casos especiais como alergia forte a alguma(s) substância(s) contida(s) nas vacinas).  

10 comentários :

  1. No outro dia vi uma reportagem de um casal que estava a fazer um retiro religioso e que a mulher estava grávida. Nesse retiro ela começou a entrar em trabalho de parto, chamaram uma parteira mas o bebé estava atravessado e tanto a mãe como o bebé estavam em sofrimento e era preciso ir para um hospital porque a parteira não podia fazer nada naquela condição e não quiseram ir porque a religião deles diz que não pode haver intervenção humana em coisas que cabe a «Deus» decidir (se a mãe morre, se o bebé morre, se vivem, se não...) e pronto. É assim. Eu sou muito respeitadora das crenças e ideologia dos outros mesmo que difiram das minhas mas quer dizer, meter um bebé e a mãe em perigo só porque acham que o trabalho de «Deus» é decidir o que lhes acontece? Submeterem o bebé a tanto sofrimento quando podem facilmente resolver a questão e ter um parto seguro???

    ResponderEliminar
  2. Como é que uns pais podem achar a religião e essas crenças mais importantes que a saúde do filho? Como ver um filho doente e não o levar ao médico para o tratar?? Eu tento compreender mas não consigo.. Esta para mim é complicado conseguir entender

    ResponderEliminar
  3. Ok, há limites para tudo! Não consigo entender isso, não me cabe na cabeça. As vacinas são feitas com o intuito de serem solução para as doenças, não fazem mal nenhum que eu saiba. Este mundo enlouqueceu!

    ResponderEliminar
  4. Não consigo compreender o que leva um pai a negar ajuda médica a um filho. Possivelmente deve-se a crenças religiosas, o que é ainda pior. O mundo está cada vez pior.

    Ricardo, The Ghostly Walker.

    ResponderEliminar
  5. Há o caso dos jeovás que recusam as transfusões de sangue mesmo que implique a morte de alguém... Não sei como os pais são capazes de fazerem isto com os próprios filhos quando há a possibilidade de evitar a morte!

    ResponderEliminar
  6. Normalmente está relacionado com naturalismos e crenças religiosas... Pessoalmente acho que há limites para tudo e não podemos ser relativistas ao ponto de aceitar mortes de inocentes "só porque faz parte da cultura deles". É para isso que servem as leis e há vacinas que são essenciais ao crescimento de qualquer criança (como é lógico não são vacinas de gripe ou afins).

    ResponderEliminar
  7. Eu considero que primeiro a saúde dos filhos , aliás primeiro a saúde de toda a gente, mas existem pessoas demasiado apegadas à religião, e é triste porque depois acorrem muitas mortes que podiam ser evitadas

    ResponderEliminar
  8. é a moda do naturalismo que está a chegar ao extremo, sujeitar crianças a perigos que podiam ser facilmente evitados

    ResponderEliminar
  9. Eu concordo que deve haver um equilíbrio. às vezes tomamos demasiada medicação para nada...Mas nestes casos, acho simplesmente ridículo. Deixar morrer um filho?Nunca, nem que tivesse ideias extremistas relativamente à medicina. Mudava logo de opinião. Concordo que a vacinação deva ser obrigatória.

    Isa,
    http://isamirtilo.blogspot.pt

    ResponderEliminar