13.5.15

Viver no Reino Unido | Acerca das pessoas com quem me cruzo



Sempre achei que tinha uma tendência para me cruzar com pessoas estranhas e ligeiramente burras, mas em Terras de Sua Majestade acho que essa tendência aumentou consideravelmente. Desde que aqui cheguei que já conheci alguns Ingleses principalmente enquanto trabalhei em sales e enquanto fiz voluntariado numa loja de caridade. 

Por estes lados sempre que conheces alguém pela primeira vez é perfeitamente natural que sejas imediatamente bombardeado com uma série de questões: como te chamas? que idade tens? de onde és? há quanto tempo estás aqui? estás a gostar? não tens saudades do sol? tens família aqui? vives sozinha ou com outra pessoa? és casada ou só vives com o teu namorado? o que gostas de fazer nos teus tempos livres? o que estás a ler? que tipo de música gostas? são algumas das muitas perguntas que costumam fazer logo naquele primeiro contacto. No inicio achei um bocado assustador e invasivo, mas agora já estou mais que habituada, mas há algo que por mais vezes que se repita não consigo deixar de achar estranho. Enquanto que quando te põem a vista em cima pela primeira vez não te largam enquanto não souberem as respostas a todas as questões que lhes surjam na cabeça, depois quando os voltas a ver é como se eles tivessem perdido todo e qualquer interesse que demonstraram ter por ti naquele primeiro contacto. A partir daí as conversas já não vão muito mais além do que um "olá, tudo bem?". Se for segunda-feira perguntam-se se o fim-de-semana foi bom e se for sexta-feira perguntam-te se tens planos para o fim-de-semana e é isto. Depois calam-se e não dizem mais nada. Daí eu dizer que são estranhos. Outro motivo para eu os achar estranhos deve-se ao facto de no dia-a-dia ser raro ver um casal a caminhar de mãos dadas ou de braço dado ou de ver qualquer outro tipo de demonstração amorosa. No entanto, ao fim-de-semana, quando vão para os pubs e bares de diversão nocturna é como se de repente valesse tudo e quando digo tudo é mesmo quase tudo. 

Por outro lado, não são um povo muito dado à cultura geral. Pelo menos os que conheci deixavam muito a desejar. Sempre que me perguntam se falo Espanhol ou se Portugal pertence à Espanha assim que lhes digo que sou Portuguesa dá-me logo vontade de distribuir estalos e por-me a andar. Depois houve aquele dia em que ao dizer que era Portuguesa me disseram que havia uma grande comunidade de Espanhóis em Nottingham e para eu me juntar a eles como se Portugueses e Espanhóis fosse a mesma coisa. Mais tarde houve um que me perguntou onde ficava o Brasil e depois de lhe dizer que ficava na América do Sul e de ficar muito espantado perguntou-me "mas se é assim tão longe por que razão falam Português?" e quando lhe falei dos Descobrimentos olhou-me como se eu estivesse a falar Chinês. Depois houve outro que me perguntou porque razão no Canadá se falava Inglês e Francês quando lhe disse que tinha sido porque umas partes tinham sido colonizadas pelos Ingleses e outras pelos Franceses perguntou-me se eu estava a brincar ou a falar a sério e ainda hoje deve achar que estava a gozar com a cara dele. Depois existem aqueles que dizem que querem sair da União Europeia porque não se sentem Europeus como se ao saírem da União Europeia deixassem de pertencer ao continente Europeu. Para além destes ainda há os que acham que os Ingleses têm todo o direito de ter livre circulação entre os restantes países da União Europeia e se calhar do mundo (sabe-se lá o que eles pensam), mas que acham que todos aqueles que não são Ingleses não devem ter o mesmo direito. Já para não falar dos que não têm qualquer problema em dizer que a culpa da crise (esta gente acha que está em crise!) é dos emigrantes europeus. 

De certeza que haverá algures nesta ilha uns quantos com uma extensa cultura geral e muito mais afáveis do que aqueles com quem me tenho cruzado neste último ano; eu é que ainda não me cruzei com eles.  

16 comentários :

  1. São mesmo estranhos..
    E claro, como eles não foram famosos na parte dos descobrimentos nem ligam a isso

    ResponderEliminar
  2. Meu Deus eu não ia gostar de conhecer um estranho e ele me fazer tantas perguntas rsrs sério eu iria sair correndo, eu amei seu blog e estou seguindo beijos http://www.blogdaxavier.com.br/

    ResponderEliminar
  3. Eu acho que isso acima de tudo é preocupante... Se há coisa que me aflige são pessoas sem o mínimo de cultura geral! E aflige-me porque ainda não consegui perceber se é algum tipo de problema social/ com a educação se, e ainda mais grave, é pura e simplesmente falta de interesse... Enfim..
    beijinhos
    http://direitoporlinhastortas-id.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. Eu já fiz um post sobre isso algures no meu blog, gostei muito! Já me tinha apercebido disto também. "Spain and Portugal is the same, isn't it?" ao que eu respondo "yep, exactly the same as Pope and Hitler ;)"

    Beijinhos
    Ana, A Policromia
    A Policromia no Facebook

    ResponderEliminar
  5. R: é das melhores sensações mesmo...

    ResponderEliminar
  6. Que texto ótimo eu amei é a pura verdade
    Canal:https://www.youtube.com/watch?v=3xZdo8xMv34
    Blog: http://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  7. Concordo. Essa superioridade (de nada) sempre me irritou. Como se o resto dos europeus (e do mundo, para não falar concretamente dos norte-americanos) fossem uma cambada de ignorantes que não contribuem para nada. Aquilo que eu vejo é que eles é que não têm interesse por assunto nenhum, a não ser que lhes diga respeito. E god save the queen, grande coisa. Contudo, adoro o país deles. E o meu também, claro :)

    Isa,
    http://isamirtilo.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  8. Ahahah só me consegui rir a ler este post... Ai pá infelizmente essa saga de que Portugal nem existe porque ou é Espanha ou é Brasil nunca terá fim, nunca. Tal como a burrice das pessoas também não, aparentemente

    ResponderEliminar
  9. Credo, que pessoas horríveis que se cruzam contigo. Infelizmente há uma grande falta de cultura no UK que a maioria das pessoas desconhece pq o país ainda vive muito à sombra da fama e do prestígio. Como em todo lado, acredito que haja pessoas muito boas e muito más, claro. Tu provavelmente és como eu, tens queda para te ver em situações estranhas com pessoas estranhas. O que é terrível mas pelo menos dá bons posts de blog.

    Por acaso ainda esta semana passei horas à conversa com um inglês que está cá em Erasmus e ele não podia ser mais diferente do que descreveste, mas infelizmente acho que ele é a excepção e essa gente parva é a regra. Não só aí,mas em todo o mundo.

    ResponderEliminar
  10. Eu não sei se fiquei mais surpreendida com a pouca afabilidade deles ou com a quase inexistência de cultura! E, ainda se acham o melhor povo que por aí anda xD Sempre disse que adorava visitar Londres e é algo que ainda quero fazer mas, para me mudar para aí tinha de ter uma proposta de emprego muito muito boa! Espero que encontres alguém mais amável e alguém que não te "insulte" mesmo sem saber que o está a fazer.

    MORNING DREAMS

    Sofia Silva, Beijos*

    ResponderEliminar
  11. ahah estou chocada! por acaso Londres nunca me atraiu para viver, mas gostava de visitar :)

    ResponderEliminar
  12. Meus amigos voçes não se lembram do que significa "Viver numa Ilha"?

    ResponderEliminar
  13. Olá a Todos
    O meu comentário acima ("Viver numa Ilha") está como "Unknown" por esse motivo aqui fica o meu nome.
    Obrigado.

    ResponderEliminar