27.1.15

Trabalho | Quando te irritas solenemente com alguém e acabas por desligar a chamada na cara da outra pessoa



"Lá fora é que é bom", "Isto lá fora não acontecia" - quantas vezes já não ouvimos isto na rua, no café e até na nossa própria casa? Eu perdi a conta à quantidade de vezes que ouvi estas afirmações que não correspondem, de todo, à verdade. Portugal tem coisas boas e tem coisas más assim como qualquer outro país do Mundo. 

Neste momento encontro-me a viver no Reino Unido e durante a minha estadia por terras de sua Majestade já fui contactada para vários tipos de trabalho que mais tarde viriam a revelar-se autênticos esquemas. Esquemas esses que também existem em Portugal. Tratam-se de trabalhos precários como aquele de que vos falei há alguns dias atrás onde tinha de trabalhar cerca de dez horas por dia e onde ganhava à comissão. Também já me aconteceu ser contactada para entrevistas em empresas em que não se consegue encontrar qualquer tipo de informação online e que quando se vai pesquisar a morada constata-se que dificilmente deve haver local mais manhoso do que aquele. No entanto, também existe o esquema do "aposte na sua formação" em que normalmente a coisa se processa deste modo: alguém que anda à procura de trabalho candidata-se a um trabalho, ao fim de alguns dias é contactado pela dita empresa que lhe diz "estou a ligar para o ajudar. Neste momento não tem a experiência que é necessária para este trabalho, mas tenho uma sugestão: faça este curso pela módica quantia de X e terá mais hipóteses de conseguir trabalho". Sou a favor de que devemos apostar na nossa formação de forma a conseguirmos ganhar experiência e novas aptidões, mas não sou a favor quando a formação nos é impingida. 

Na última vez que me impingiram uma formação acabou comigo a desligar a chamada na cara da outra pessoa. Porquê? Porque por vezes por mais educados que sejamos quem está do outro lado não quer ouvir o que temos a dizer; quer antes convencer-nos dê lá por onde der a gastar algum dinheiro (normalmente não é nada pouco) em algum tipo de curso que mais tarde, quando formos pesquisar, concluímos que ele nem existe. Os meus pais sempre me ensinaram que não nos devemos meter nas coisas sem antes saber ao certo no que nos estamos a meter e que as pessoas por mais simpáticas que sejam e por mais confiáveis que nos possam parecer às vezes são uns autênticos lobos em pele de cordeiro. Por este motivo, acabo sempre por dizer a quem está do outro lado da chamada que agradeço imenso o facto de me ter contactado, mas que preciso de pensar sobre o assunto e que se de facto estiver interessada que volto a contacta-lo. O mais natural seria que a outra pessoa fosse igualmente educada e dissesse que compreendia perfeitamente (porque ninguém no seu perfeito juízo vai logo pagar um curso do qual acabou de ouvir falar pela primeira vez e que nem tempo teve de assimilar toda a informação) e que ficaria à espera que o contactasse novamente. No entanto, quando do outro lado somos acusados de não querer apostar na nossa formação e que pouco falta para que a outra pessoa nos diga que estamos a ser incrivelmente burros e estúpidos por estarmos a desperdiçar uma oportunidade tão boa que nos foi tão amavelmente "oferecida" não há mais nada a ser dito porque com tanta indignação acaba por ficar claro que mais não era do que um esquema para nos sacar dinheiro. Ainda mais claro fica quando têm a lata de nos perguntar "mas vai dizer-me que não tem mesmo X quantia para pagar o curso?" como se fosse correcto fazer este tipo de questão. 

9 comentários :

  1. Apreciei muito o que escreveste! Por curiosidade que cursos tiraste? :)
    Estou a seguir,
    http://discoveryourownmoon.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. Em todo o há maroscas do género, não há um país "melhor" que os outros nesse aspecto :)

    ResponderEliminar
  3. Ai meu Deus, que pessoas sem noção... Nós achamos sempre que lá fora tudo é um mar de rosas mas esquecemos-nos que todos os países têm pontos a favor e pontos contra. Desculpa a minha indiscrição, mas em que área trabalhas?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. r: então espero que consigas dar essa volta na tua vida e entregares-te ao que mais prazer te dá fazer :)

      Eliminar
    2. r: eu sou da área das artes mais precisamente cenografia. Em Portugal está difícil nesta área (e em todas no geral) e o UK também está nas minhas opções para me aventurar e tentar «lá fora».

      Eliminar
  4. que vergonha! como é que é possivel falarem com as pessoas assim? credo.... :S

    ResponderEliminar
  5. Ui realmente é triste estes esquemas, e é como tu dizes, acontecem em qualquer lado. É preciso ter uma paciência...*

    ResponderEliminar
  6. Olá :) Obrigada pelo teu comentário. Já me sinto melhor. Foi mesmo uma espécie de crise existencial.
    PS: eu já vivi em Londres e felizmente, do pouco tempo que lá estive, não tive problemas nenhuns. Mas que existem esquemas, isso sim. Nenhum país é santo e há sempre problemas. Só que alguns são bem escondidos :)

    ResponderEliminar
  7. Credo! Realmente, ainda dizem que o pior só acontece cá! Há gente assim em todo o lado.

    ResponderEliminar