21.1.15

Trabalho | Quando enough is enough




Há quase um ano atrás comecei a trabalhar para uma empresa em sales - basicamente era uma daquelas pessoas que todos já encontramos na rua a tentar meter conversa com meio mundo ao mesmo tempo que tenta convencer esse mesmo meio mundo a desembolsar alguns trocos para ajudar uma causa ou outra coisa qualquer - e foi há quase um ano que me despedi dessa mesma empresa. A razão foi simples: ganhava à comissão e acabava por gastar mais dinheiro em transportes do que aquilo que recebia ao final de cada semana de trabalho (aqui no Reino Unido não é algo fora do comum).  

Ontem, recebi um telefonema de um número desconhecido. Resolvi atender e qual não foi o meu espanto quando do outro lado ouço a menina a dizer o seu nome e o nome da empresa para a qual trabalha. Dizia-me que tinha visto o meu Curriculum e que gostava de saber se eu me encontrava disponível para uma entrevista. Um pouco confusa e a jeito de esclarecer a minha dúvida pedi que me dissesse novamente o nome da empresa. Ela disse-o e eu rapidamente lhe disse "desculpe, mas sendo assim não estou interessada". Perguntou-me se podia saber o porquê e eu disse-lhe que apesar do ambiente de trabalho ser muito bom o facto de se trabalhar 10 horas por dia para que depois apenas se recebesse o que se "vendia" acabava por não compensar. Senti-lhe a desilusão instalada na voz. Senti-lhe o embaraço. Senti que ficou encaralhada, mas era a mais pura das verdades e se não queria ouvir a verdade, então que não tivesse perguntado. 

No final, fiquei com um pouco de pena porque realmente a menina que estava do outro lado da linha ficou mesmo sem jeito e sem saber o que me dizer, mas por outro senti que tinha de ser sincera e que não tinha razão nenhuma para sentir pena do que quer que fosse. Eles é que deveriam ter pena se si mesmos por contratarem dezenas de pessoas ao longo de cada mês (não estou a exagerar) para aquilo que eu considero entrar na classificação de trabalho escravo. 

Pena é haver pessoas mais desesperadas do que eu que aceitam este tipo de trabalho porque se ninguém aceitasse acredito que rapidamente deixaria de existir.   

2 comentários :

  1. Pena é também que a legislação laboral de países ditos civilizados, permita a existência deste tipo de empresas.
    Aos políticos dá jeito... afinal o que importa não é o que as empresas fazem com as pessoas, desde que elas deixem de contar para a estatística do desemprego. :/

    ResponderEliminar
  2. É horrível esse tipo de trabalhos à comissão, tantas horas de empenho e trabalho e no final nem sequer temos noção do que vamos receber. Nem dá para dar estabilidade pois o ordenado não é sempre fixo... Que triste :s

    ResponderEliminar