27.1.15

Actualidade | A 27 de Janeiro de 1945 deu-se a libertação de Auschwitz



De forma a relembrar aquilo que jamais deve ser esquecido hoje, no Dia Internacional da Memória do Holocausto, o Expresso disponibiliza um texto que foi publicado pela primeira vez em 1995. Um texto onde encontramos alguns relatos de Ella Lingens que se viu condenada a ter de ir para Auschwitz sendo que o seu crime fora o de ajudar a esconder judeus na sua própria casa e posteriormente a ajudá-los a fugir do país. Ella Lingens era médica. tinha casado com um colega de trabalho e encontrava-se a viver as maravilhas da maternidade quando se viu obrigada a ter de ir trabalhar para Auschwitz sob as ordens de Josef Mengele (outro médico) mais conhecido como "Anjo da Morte". 

Neste texto são relatadas algumas das "experiências" praticadas pelo "Anjo da Morte" em nome da ciência, entre elas contam-se: 

"Para experimentar métodos de reanimação em pessoas congeladas, Mengele baixava a temperatura do corpo das vítimas até aos limites da paragem cardíaca, e depois tentava aquecê-las com cobertores ou cobrindo-as com mulheres nuas.

Dava só água do mar a beber aos prisioneiros, até morrerem de sede, para comprovar a resistência do ser humano em caso de naufrágio. Os esqueletos das pessoas com anomalias eram enviados como troféus para a colecção da Reichsuniversitât, em Berlim. Ligava o peito das mulheres que tinham acabado de parir, proibindo-as de amamentar os filhos, para determinar quanto tempo os recém-nascidos podiam viver sem se alimentarem." (Ler mais: http://expresso.sapo.pt/ao-lado-do-anjo-da-morte=f908176#ixzz3Q1fROJKI)

Não vou mentir, trata-se de um texto perturbador, mas que vale a pena ser lido. 

7 comentários :

  1. O mais famoso é a criação da famosa aspirina, que começou com essas experiências

    ResponderEliminar
  2. O leite de soja tem de, inevitavelmente, ter sempre coisas adicionadas para conseguires bebê-lo ou habituar-te. Caso contrário, vai parecer que estás a beber terra :b

    ResponderEliminar
  3. Os assuntos do Holocausto tocam-me. É cada atrocidade que... socorro.
    O último livro que li a respeito foi "A Rapariga de Auschwitz" de Eva Schloss que se trata de um retrato em primeira pessoa de uma sobrevivente do campo de concentração!

    ResponderEliminar
  4. Já conhecia a maior parte destas atrocidades, mas é impossível não ficar chocada cada vez que as relembro, como é possível tanta falta de respeito pela vida humana?

    ResponderEliminar
  5. Vou ler o resto. Mas, pelo o que já li aqui a atrocidade era imensa... E, tudo isto por causa de um único (h)omem que queria liderar algo à sua maneira.

    ResponderEliminar
  6. Já li bastante sobre este assunto e pensava já saber muita coisa, mas ao ler todo este artigo descobri outras atrocidades que não sabia terem existido. Só vem provar foram tantas que não cabem em todos os livros de história, nem em todos os filmes e documentário que já se fizeram sobre os campos de concentração.

    Ainda me lembro da professora de físico-química do secundário nos dizer que a maior parte dos estudos sobre a taxa de toxicidade tinham sido feitos durante o holocausto. A ideia do extermínio de uma raça inteira já é suficientemente perturbadora sem pensar que eram feitas experiencia sobre essas pessoas durante o processo.

    ResponderEliminar
  7. Ai meu Deus, que coisas desumanas...

    ResponderEliminar